YOGA

[...] Na vida do século vinte não há lugar para o ascetismo, mas talvez tenhamos mais necessidades de períodos de regeneração do que nossos ancestrais. Não obedecemos mais aos ciclos naturais de descanso e trabalho,de comer e dormir. Deixamo-nos guiar mais por nossos impulsos do que pelo bom senso. O processo de ganhar o pão de cada dia e/ou criar uma família em meio ao barulho, poluição do ar, sob constante ameaça de inúmeros desastres - tanto naturais quanto provocados pelo homem - transformou a manutenção de nossa saúde física e mental num trabalho difícil. Nessas condições, muitas pessoas vieram descobrir o valor do yoga como um método prático para melhorar não só as condições da saúde, mas também a qualidade de vida. [...] Através do yoga, qualquer pessoa, homem, mulher ou criança, velho ou jovem, doente ou são, pode se aplicar à tarefa e à experiência da paz sublime dos antigos yoguis sem precisar se retirar para uma caverna ou floresta. O yoga tem algo a oferecer a todos e, por menos que se consiga fazer, desde que se pratique com sinceridade e aplicação, sempre se consegue algum resultado. [...] Aplicando-nos o yoga, podemos descobrir a riqueza, o sucesso e a felicidade que tem sido o segredo desta ciência antiga há milhares de anos, mas que ainda tem uma mensagem que pode ser aplicada aos dias de hoje.

 

(M.L. GHAROTE, 1996, p.17-19)